abrir_laboratorio_veterinario_simples

Quer abrir um laboratório veterinário? Conheça 5 dicas essenciais!

 

Abrir um laboratório veterinário acaba sendo, muitas vezes, um caminho natural para quem já tem sua clínica ou hospital veterinário. Não só por ser uma excelente opção em termos de negócio, mas também por ser capaz de mudar drasticamente a realidade de uma rotina de trabalho.

Nós sabemos, porém, que o desafio de se propor a esta
evolução pode ser complicado. Minúcias sobre patologia clínica veterinária, hematologia, bioquímica e uso de microscópios muitas vezes fogem do dia a dia do veterinário. O que poucos sabem é que, antes de tudo isso, ainda há passos cruciais que devem ser considerados para que esse processo seja feito com o mínimo de erros possível. Vamos conferir:

1- Saiba o objetivo do seu laboratório

Primeiramente devemos nos propor esta reflexão. Pode até parecer básico, mas não é. Provavelmente 9 entre 10 médicos veterinários responderiam: fazer exames laboratoriais. Mas vejamos: esta é a necessidade, não o objetivo!

Objetivo é aquilo que é mais profundo e pessoal, é o que
motiva. Pode-se abrir um laboratório com o fim de aumentar a rentabilidade, para quem, por exemplo, já tem um número de exames que justifique isto. No caso de clínicas ou hospitais que precisem dos resultados mais rapidamente, a meta
pode ser a agilidade, e assim por diante.

Saber o objetivo do laboratório veterinário brilha no primeiro lugar da nossa lista porque ele é definitivo na hora de escolher diversos aspectos e, dentre eles, o mais importante: o quadro de equipamentos com o qual se contará. Há equipamentos para todas as finalidades: os mais rápidos, os mais independentes, os mais acurados, os mais portáteis, etc.

Propósito definido? Vamos para o segundo passo:

2- Determine quem executará os exames e conheça suas habilidades

Ponto importante. Tente responder às seguintes perguntas: “somente eu farei os exames, já que trabalho sozinho?”, “toda a equipe de médicos veterinários fará?”, “somente uma parte, então?”, “serão os estagiários, ou os plantonistas?”, “pretendo contratar um técnico (biomédico, técnico laboratorial ou médico veterinário patologista)?”, “qual a experiência e habilidade das pessoas que foram selecionadas para manusear os equipamentos?”, “além da experiência e habilidade, qual o tempo disponível?”.

Estas perguntas também são cruciais para a hora de definir os aparatos que serão utilizados no laboratório, o que afeta o planejamento financeiro e, consequentemente, toda a estrutura de trabalho.

É bastante comum que encontremos veterinários que montaram
seus laboratórios internos baseados apenas nos preços dos equipamentos, sem considerar a habilidade e conhecimento técnico de quem iria executar os exames. Vamos observar uma das consequências da não consideração desses aspectos, o que
transforma investimento em gasto:

Um veterinário não tem conhecimento amplo ou habilidade com bioquímica úmida, mas mesmo assim compra um equipamento semiautomático, quando o recomendado seria bioquímica automática. Como resultado da má escolha, é frequente que encontremos equipamentos parados nos laboratórios. Péssima escolha, certo?

É preciso também conhecer os tipos de testes e suas
particularidades já que, por exemplo, exames como histopatologia, Elisa, hormônios e PCR tem um custo elevado e requerem equipamentos e conhecimento técnico, além da necessidade de diversas certificações. Estes são exames que devem ser terceirizados para um laboratório veterinário de sua confiança e
referência.

3- Avalie qual será sua rotina de exames atual (e a futura)

Neste aspecto devemos pensar, por exemplo, sobre o número de hemogramas a ser realizado, assim como bioquímicas
séricas/urinárias (parâmetros isolados ou perfis e, neste caso, determinar também os parâmetros), raspados de pele, citologia, exames de fezes e outros mais pontuais, caso existam, como hormônios, Elisa, histopatológicos… Quantos deles serão solicitados por mês?

E mais: existe a possibilidade de expansão imediata? Se sim, provavelmente sua rotina irá mudar. É um caminho normal que uma clínica veterinária se expanda para um hospital veterinário 24h, por exemplo. Este planejamento é essencial na hora de abrir seu laboratório veterinário porque afeta diretamente seu planejamento financeiro para tal.

É super importante projetar o seu crescimento, já que os seus equipamentos podem, em pouco tempo, mostrar-se um pouco defasados em relação à sua rotina futura. Como resultado, em pouco tempo você terá que reinvestir em seu laboratório por pura falta de planejamento.

4- Descubra os pontos importantes sobre local,
ambiente e determinações locais para abrir seu laboratório veterinário

Área, área, área. Aqui as considerações devem ser sobre espaço (“já existe área disponível? será construída? será adaptada?”) e sobre
as determinações legais locais (“quais os termos da vigilância sanitária da cidade? E as do conselho regional do estado?”).

Sobre isto há algumas colocações que são globais, como, por exemplo, o fato de que para montarmos um laboratório veterinário interno, a área deve ser climatizada. Também é necessário aterramento (de acordo com a norma brasileira correspondente), verificação da voltagem de acordo com o equipamento escolhido, bancadas com espaçamento adequado de acordo com as necessidades dos aparatos, etc.

5- Considere todos os investimentos adicionais

Há quem pense que o investimento em um laboratório está
apenas nos equipamentos, o que pode ser um erro que pega muita gente de surpresa. Como dito anteriormente, é possível que haja adaptações imprescindíveis no local onde o laboratório será aberto. Além disso, há um fator que não pode ser esquecido: os acessórios.

Para o funcionamento ideal de muitos equipamentos
veterinários são necessários acessórios específicos que devem constar na lista de investimentos. Podemos citar como o exemplo, o nobreak senoidal, importantíssimo para os resultados de analisadores hematológicos que utilizam a tecnologia da impedância elétrica.

Podemos considerar, ainda, pipetas automáticas, banho-maria, dentre outros. Vale lembrar que estes acessórios só podem ser determinados após todos os pontos acima serem respondidos e os equipamentos escolhidos.

Desta forma, com essas reflexões feitas, você estará mais protegido de erros que são super comuns e podem ser definitivos no sucesso ou no insucesso desse grande passo que é montar um laboratório veterinário.

Enfim, tudo se resume, basicamente, em conhecer suas necessidades
e, a partir daí, conhecer as soluções existentes para que elas sejam atendidas da melhor forma possível!

Nossas dicas continuarão! Nos próximos posts descreveremos
os pontos básicos que devem ser avaliados para a compra dos seus equipamentos. E eles são vários, hein? Podemos citar: durabilidade, assistência técnica, peças, manutenção, disponibilidade de reagentes, acurácia e muito mais!

Por enquanto é só! Aproveite para visitar a nossa página
monte seu laboratório” e conte com a nossa consultoria para o sucesso do seu laboratório veterinário.

Até a próxima!

Add a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *